Livro: Undiscovered Owls, Magnus Robb

mrobb1

.
No dia 20 de Junho de 2015 decorreu a apresentação, em Colares, Sintra, do livro Undiscovered Owls – A Sound Approach Guide, de Magnus Robb.

Esta actividade decorreu na Quinta dos Sete Nomes e resultou duma parceria entre o autor da publicação, Magnus Robb, e o projecto STRI – Rapinas Nocturnas de Portugal, da Associação ALDEIA. Na abertura da sessão, o CERVAS apresentou o seu trabalho ao nível da recuperação e educação ambiental em torno das aves de rapina nocturnas.

“Undiscovered Owls” reúne, nas suas 320 páginas, ilustrações de Håkan Delin – a capa, contracapa e CD são da autoria de Killian Mullarney.  As fotografias, de diversos autores,  os sonogramas anotados e as legendas ilustram, ao todo, 38 espécies, revelando-se uma obra única, no âmbito das publicações referentes a este grupo de aves.

• • •

.

undiscovered-owls-400x291.
Undiscovered Owls, Magnus Robb & The Sound Approach : um livro para ler de ouvidos bem abertos

Undiscovered Owls, a mais recente publicação da editora The Sound Approach, dá continuidade a uma série de títulos em que as vocalizações das aves são reveladas sem quaisquer segredos. Desta vez, como o nome indica, são as rapinas nocturnas as protagonistas principais.

As 327 gravações digitais, reunidas em 4 CD, na sua maioria publicadas pela primeira vez – aqui incluída a coruja-das-torres existente no arquipélago da Madeira – e ilustradas por sonogramas anotados, transportam-nos numa aventura através dos sons e possibilitam conhecer, mais de perto, o fascinante universo das rapinas nocturnas. Os textos, claros, descritivos e bem documentados, oferecem-nos histórias que se repartem por lugares na Europa, Norte de África e Médio Oriente. Em relação à taxonomia, algumas novidades (“fuel for the fire“) como, por exemplo, o estatuto de espécie apresentado para a coruja-das-torres existente no arquipélago da Madeira (Tyto schmitzi) e para o mocho-galego existente em Portugal Continental (Athene  vidalli). No entanto, julgamos importante destacar algumas considerações introduzidas pelo autor: “Our species taxonomy does not follow any existing authority, nor does it pretend to be one. Taxonomy is in constant flux, and in this book we based ourselves upon what was known and published on the 1st of January 2015. […] Our species limits are hypotheses and we do not pretend that they are facts. The approach is integrative, considering multiple strands of evidence to decide whether a particular taxon represents a separate branch on the tree of life.”.

«Para uma ave nocturna, não vale a pena ter penas vermelhas quando o outro sexo não as consegue ver. Faz mais sentido comunicar mensagens como ‘estou saudável e disponível’, com os sons.», dizia, em entrevista ao STRI, Magnus Robb, a propósito da importância das vocalizações das aves. Uma obra deste género exige um número infindável de horas passadas no campo, mas, como nos contou o autor, há ainda um longo caminho a percorrer, até à finalização do livro: «Depois, tenho que escolher as gravações mais interessantes, cortar em sequências que façam sentido e colocar informação sobre essas sequências na nossa base de dados. No processo de fazer uma publicação, tenho que consultar a base de dados, ouvir as gravações todas do assunto em questão, escolher a gravação que ilustra melhor o que quero dizer, procurar a parte mais bonita, ‘limpar’ os sons que não quero ouvir – com uma alteração mínima da ‘verdade’. Em seguida, escrevo o texto sobre o assunto, faço um sonograma da gravação – que mostra as características mais pertinentes do som – anoto o sonograma e depois faço todos os outros sonogramas do capítulo, exactamente da mesma maneira.».

Neste contexto, as detalhadas descrições referentes às vocalizações são associadas a diversos aspectos comportamentais, como, por exemplo, no caso do pequeno mocho-galego: «The first surprise was that during the last couple of weeks before egg-laying, most close-range communication between the partners was with husky, highly variable soliciting calls that I had hardly noticed before. In CD1-54, a male and female are both using these, a few days before the start of egg-laying. The context is courtship feeding. This ritual not only cements the pair bond but also establishes how much food is available in the territory. As for the male, he uses this call to placate his partner when he needs to come close.». As descrições das vocalizações, de tal forma pormenorizadas, permitem-nos interpretar sons (vocalizações), analisando, por exemplo, o timbre, sem descuidar as pequenas variações, na duração das notas, originadas pela diferente propagação do som consoante o cenário onde a ave se encontre (p.94).

São imperdíveis as audições dos registos – sempre com a utilização de um par de auscultadores, como recomendado pelo autor, e a sala às escuras, recomendamos nós – da coruja dos Urales Strix uralensis. Se a primeira frase da vocalização, emitida por um indivíduo do sexo masculino (CD4-1), pode apanhar o ouvido mais desprevenido de surpresa, confundindo esta como tendo sido emitida por um bufo-real Bubo bubo, depressa a confusão é desfeita, à medida que vai sendo articulado um género de staccato final. Os ‘diálogos’ entre o macho e a fêmea desta espécie possuem uma qualidade da gravação limpa e cristalina que, mesmo para ouvidos mais exigentes, tornam estas audições num prazer absoluto.

As faixas 15 e 16 do CD2, ambas gravadas no Rosmaninhal, continuam a não trazer qualquer luz a uma dificuldade comum! Reproduzem, respectivamente, as vocalizações do sapo-parteiro-ibérico Alytes cisternasii e do mocho-d’orelhas Otus scops. E a mesma dificuldade sentida por Magnus Robb, descrita com algum humor (p.95), poderá ser semelhante à que muitos de nós continuaremos eventualmente a ter, na distinção das vocalizações destas espécies.

Com uma cuidada apresentação gráfica, Undiscovered Owls reúne, nas suas 320 páginas, ilustrações de Håkan Delin – a capa, contracapa e CD são da autoria de Killian Mullarney. Em relação às fotografias, merecem destaque as excelentes imagens de Dick Forsman, algumas delas obtidas em Portugal. Todos estes conteúdos – textos, imagens e legendas – contribuem para uma disposição de página muito equilibrada e atractiva. Ao todo, são 38 as espécies representadas, revelando-se uma obra única, no âmbito das publicações referentes a este grupo de aves.

‘Undiscoverd Owls’ está disponível em:

The Sound Approach

NHBS